Missão em Angola

           Em Jesus está o exemplo mais significativo de missões. Ele deixou o céu para trazer o verdadeiro alimento espiritual à terra: “porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo” (Jo 6.33). Realizando a vontade do Pai, Jesus desceu do céu, enfrentou a cruz, pagou o preço da nossa redenção, ressurgiu, recebeu toda a autoridade no céu e na terra, e comissionou todos aqueles que se tornam seus discípulos para colaborar no plano redentivo de Deus (Mt 28.19).

           Enquanto exercia seu ministério terreno, Ele deixou sua convocação bem clara e definida para os seus seguidores, com o objetivo de dar seguimento a tudo quanto Ele começou a fazer e ensinar: “Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. E havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: recebei o Espírito Santo” (Jo 20.21 e 22). Existe, pois, uma correlação direta entre a missão conferida pelo Pai a Jesus e aquela por este a nós outorgada. Observa-se que, em oportunidade anterior, o Mestre, falando sobre a videira verdadeira (Jesus) e seus ramos, deixou o expressivo entendimento de que nós, os filhos de Deus, representados pelos ramos, devemos não apenas permanecer nele, mas, também, produzir muito fruto.

            Ele chegou a enfatizar que quem não permanece nele, é lançado fora, tal como o ramo que, cortado da videira, é lançado fora e seca, tornando-se, assim, inútil, sem vida. Para Jesus, só é considerado seu discípulo aquele que produz frutos para o Reino de Deus. Ouça o que Ele diz: “nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos” (Jo 15.8). No contexto histórico em que vivemos há um surpreendente desafio de evangelização a ser realizado pela igreja neotestamentária, a partir da cidade onde habitamos.

A realização de missões depende, portanto, de todos aqueles que abraçaram a fé em Cristo e não ignoram as advertências chaves do Senhor Jesus: a) levantai os vossos olhos e vede os campos que estão brancos para a ceifa (Jo 4.35); b) a noite vem, quando ninguém pode trabalhar (Jo 9.4). Afinal, nós somos herdeiros de Deus e coerdeiros de Cristo (Rm 8.17). Há um propósito especial na vida de todo filho de Deus, pois na qualidade de “geração eleita, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido” cumpre-nos anunciar “as grandezas daquele que” nos “chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pe 2.9).

Missionários em Angola

Suely Pedro e Ubiratan

 

 

fsN fwB show center tsN normalcase|left fwR tsN|show tsN center fwB|bnull||hover|news login c05|fsN fwR normalcase tsN bsd c15 b01|c05|news login fwR normalcase c05|tsN fwR c05 normalcase|normalcase fwR c05|content-inner||